10° Moto Migrantes

Ta chovendo ai?… Sim, ta chovendo MUITO

Vamos lá gurizada medonha, o 10° Moto Migrantes aconteceu nos dias 11, 12 e 13 de março, e nesta edição aconteceu também o Congresso da AMO-RS, entrega dos troféus Moto Turismo AMO-RS (Melhor evento do ano, Melhor Motociclista, Melhor Moto Grupo, etc) e o aniversário dos Lobos Rio Grandenses, é isso mesmo, quatro eventos em um só. De quebra, também aconteceu lá o Trilhão de Polêsine, que é bem tri de ver, a arrancada do pessoal, muito loucura mesmo, sendo que o Trilhão é meio que um evento paralelo ao Moto Migrantes, onde a largada ocorre no domingo pela manhã, bem cedinho. Desta vez o MotoEL foi apenas comigo e com a Géssica, o Marcelo e a Luciane tiveram um compromisso e não conseguiram comparecer.

Nunca havia comparecido em edições passadas, porem sempre foi muito bem comentado por outros motociclistas, dizendo que o Moto Migrantes é um evento bem sem Zueira, com uma ótima recepcionalidade do pessoal que organiza. Fui lá conferir de perto e já marcar presença no congresso anual da AMO-RS e torcer pelos meus votados para os troféus Moto Turismo da AMO-RS.

A previsão era de chuva, porem no sábado o tempo estava bem firme, com sol e calor, porem como já adiantei no título deste relato, choveu e bota chover nisso, foi até engraçado no momento que começou a chuva, mas vou aguçar a curiosidade do leitor e contar em um próximo parágrafo, dedicado a chuva que caiu lá. Aconteceu lá o congresso anual da AMO-RS, que é o primeiro na qual tenho o prazer de prestigiar. Foi escolhido um grande “roll” de palestrantes, com destaque para a palestra comentando a lei de passeio motociclístico.

Falando da recepção do pessoal que organiza, vou começando a falar do evento pela característica que mais me marcou. Realmente a recepção do evento é excepcional, no quesito “calor motociclístico”. Bem na entrada do evento havia o presidente e a atual Rainha da AMO-RS, recebendo o pessoal, com muita cordialidade, ajudando e indicando tudo, mostrando local para estacionar a moto, local do camping e já entregando uma programação do evento. Foi uma excelente primeira impressão. Sabe aqueles restaurantes que tem maître, que fica do teu lado o tempo todo, onde o teu copo esvazia e ele prontamente enche novamente, pois é, é mais ou menos assim que me senti lá, a todo momento vinha um e perguntava se queria algo, água, ajuda em montar barraca, indicando local para almoçar ou lanchar a preço/qualidade boa, perguntando se queria “local” para descansar, bem, acho que já me fiz entender.

O evento é bem organizado, o camping é grande o suficiente, é coberto e bem próximo ao local do evento, sendo que faltou espaço para a hora do temporal, calma, já já chego lá. O evento acontece na praça central, onde tem banheiro público fixo e uma baita figueira para fazer uma baita sombra. De infraestrutura há pouco, é oferecido o camping, o banheiro, que é bem limpinho (haviam poucos motociclistas, pois a previsão era de chuva, e com isso ajudou a manter o banheiro bem limpinho), um palco meio improvisado e uma área coberta para a praça de alimentação. A praça do evento também é pequena, mas sobrou espaço para os motociclistas que ali estavam prestigiando.

Os shows de rock estavam bom, para falar a verdade, muito bom. Passou pelo palco boas bandas, incluindo a banda True Karma, que deu um show. Para a banda principal, tocou uma banda de bailão, que foi desde a Raul Seixas até MC Kevinho com a música “Olha a explosão” (Quando ela bate a bunda no chão), pois é, alguns repudiaram, outros gostaram, eu, particularmente, fiquei assistindo. Essa é a parte tri do motociclismo, realmente é um mundo, e um mundo grande, aquele que acha que só aquilo que gosta, tipo de moto, tipo de música, tipo de vestimento, que é o mundo motociclístico, está redondamente enganado, vejo esses, como os extremistas religiosos que tem por ai.

Depois de curtir o show da banda de bailão, vou me recolher… E agora vou abrir aquele tão esperado parágrafo que mencionei antes, contando a hora do temporal.

Pois então, vou para a barraca, fazia um calorão, calor mesmo, então durmo nu. OK, nada de mais, estava muito calor. No meio da noite escuto uns murmúrios na rua e logo mais vejo alguém batendo na minha barraca gritando: “Vamos acordar pessoal, vem temporal ai!!!”. Na hora levanto e visto uma calça para ver o que esta acontecendo, saio do ginásio já imaginando um tornado na rua, e assim como eu, um monte também, com caras de apavorados. Reconheço um ou outro na rua e pergunto: “O que esta acontecendo?!?!?”. E a resposta é o mais: “Sei lá, me acordaram aos berros dizendo que vinha temporal e é para guardar as motos dentro do ginásio”. Tchê, era pavor de uns, deu até confusão, TODO MUNDO tentando colocar a moto para dentro do ginásio ao mesmo tempo, por uma única entrada, quando formou a fila, começou o apavoramento maior, gente gritando com outros, moto acelerando, buzina… Parecia que iria vir o dilúvio. Tudo terminou quando um triciclista trancou a entrada com o triciclo. Queria ver o início de um incêndio lá dentro, todas essas motos tendo que ser retirada… Se o triciclo não saísse, ninguém sairia. Bem rimos bastante e quando realmente começou a chover, volto para a barraca. Mas “meu irmão”, quando começou a chover, choveu, e bota chover nisso, era MUITA CHUVA, MUITA ÁGUA, DE BALDE… Bem o ginásio não aguentou tanta chuva e começou a chover dentro, no banheiro do ginásio parecia que tinha uma cachoeira dentro, era muito água mesmo. Fiquei até preocupado como a BMW que ficou na rua, mas o terreno era bem firme. No domingo pela manha, o arroio que passava na frente do ginásio quase transbordou, era muita água, porem ninguém morreu, era só chuva mesmo. As motos não eram de açúcar, como mencionou um na rua.

Domingo amanheceu com muita chuva ainda, não tinha o que fazer, era arrumar a mochila e pegar a estrada na chuva mesmo, afinal, não pretendia morar em São João do Polêsine. Fui tomar o café 0800 oferecido pela organização e me bandeei para o lado de Charqueadas. No resumo, o evento é muito bom, bem organizado e tranquilo, para tirar um sossego mesmo. Quase havia me esquecido, foi oferecido um bolo, muito bom por sinal, 0800, em comemoração do 7° aniversário dos Lobos Rio Grandenses, que repeti até me empanturrar, também, eu terminava de comer uma fatia do bolo e vinha uma guriazinha me oferecendo mais um pedaço de bolo.

Até uma próxima. Boas estradas e boas rodagens para todos. FUI. 


Resumo pontuação

Gostei: Excelente recepção para o motociclista, bom camping e o evento é bem organizado, pequeno e muito bem organizado, gostei também do preço praticado dentro do evento.
Não Gostei: Achei que as atrações musicais poucas, apesar de boas bandas tocarem por lá, achei que poderiam ter mais. A infraestrutura é bem simples, não é ruim, é apenas simples. Falei no relato sobre a banda principal, não que reprovo, apenas não curti muito.

Placar: 78/100 (Bom evento)
Mais detalhes do placar na página 2.