17° Carbomoto

Não importa chuva ou sol, Evento sempre um sucesso!

Um Carbomoto atípico esse ano, normalmente, a chuva vem no domingo, porem nessa edição, choveu na sexta-feira, no sábado e um pouco no domingo. Mas o que não foi atípico foi a grandiosidade do evento, como sempre um “baita” evento foi organizado e executado, mesmo com a chuva, havia muita diversão e sobrou organização, fazendo, como nos outros anos, um grande evento.

Como faz dois anos que não consigo comprar a camisa do evento, vou na sexta-feira para garantir a minha, pois mesmo com a chuva atrapalhando o evento não restaram muitas camisas para serem vendidas no sábado e domingo, se fizesse o mesmo das outras edições (ir no sábado e voltar no domingo) ficaria sem a camisa oficial do evento novamente. Saio de Charqueadas depois das 19h, chego em Butiá um pouco antes das 20h, como esperado pego muita chuva na ida. O que mais atrapalhou a ida não foi a chuva e sim o “spray” que levantou dos caminhões, rapaz, que “spray” sujo… A volta foi mais tranquila, mesmo com chuva, pois sai de Butiá por volta da 1h e nesse horário haviam poucos caminhões na BR-290.

Para o sábado, saímos com o time completo, foram eu (Diego), Géssica, Marcelo e a Luciane, apanhamos chuva na ida mas nada mais que já não estivemos acostumados, afinal, o MotoEL coloca a roda no asfalto e a chuva já começa a se armar, não vai demorar para um dia, nós do MotoEL, sermos proibido de ir a eventos pois trazemos a chuva junto… O evento no sábado estava muito bom, o pessoal não se “arrepiou” e veio em peso, foram grandes atrações, e ao meu ver, não ocorreram problemas. A Brigada deu umas “chapuletadas” em uns, os organizadores chamaram atenção de outros, a segurança particular contratada fez suas rondas, tudo na “ordem e paz” esperado para um evento motociclístico.

Encontramos vários amigos da região, o pessoal do Moto Grupo Mensageiros do Vento (Alemão, Erick), o pessoal do Moto Grupo Renegados (Rambo, Elias), o pessoal do Moto Grupo Rota 709 (Cassiano), Nara e o Leandro, e muitos outros. Marquinhos (DR Motos) se fez presente também, chegou atrasado mais chegou. Rafael Bittencourt, Ariza, Marquinhos e outros, estavam lá prestigiando o evento e representando o Moto Grupo Carbonífera. Tiramos a foto padrão com o Rogério da Motoveste e reencontrei o Tiarlis, velho amigão.

Vou iniciar um parágrafo novo, pois quero falar de como o Carbomoto se organizou, para acabar com a “Zueira” descontrolada e carros de som da rua em frente a Loja Lebes. Quem foi a outras edições viu que nessa rua, que é bem na periferia da área do evento, ocorriam todo tipo de “Zueira”, bem descontrolada por sinal, motos empinando (nada contra a motos empinando), “rachinhas” no meio do público, tinha de tudo. Acho que deve haver espaço próprio para isso, com área isolada e demarcada, não com pessoas passando na frente. Também havia uma “Zueira” legal (na minha opinião) por ali, apenas motos e tendas de moto clubes (eu, Diego Ennes Lima, minha opinião) ouvindo som e cortando giro (MINHA OPINIÃO), era bem dentro da “Zueira legal”.

-Mas eu não tolero “Zueira” (alguém comentando).
-OK, sem problemas, tu ter essa opinião, já a minha não é assim.

Voltando ao assunto, a organização do Carbomoto organizou nessa rua uma área coberta e instalou algum comércio ali, fazendo assim, a rua ficar ocupada pela estrutura que sustenta a cobertura e pelas barraquinhas de comércio, pronto, não havia espaço para ficar empinando ou mesmo fazendo “rachinhas” no meio do público. Não sei se foi por esse motivo (acabar com a “Zueira” descontrolada da rua), também não vi as tendas de Moto Clubes, mas vou considerar o fato da chuva ter “atrapalhado” a vinda do pessoal da “Zueira legal” (Minha opinião).

O MotoEL colocou as motos próximas ao palco, assim a Géssica e a Luciane usaram as motos como arquibancada para ver os shows, e já vou aproveitar para falar das bandas. Todas as bandas deram um show, foram excelente, quando a última terminou sua apresentação, o público ficou com um “gostinho de quero mais”. Tive um problema nessa área (próxima do palco), havia um pessoal coletado, aqueles que pregam “respeito” entre os motociclistas e tal, que ficaram chutando minha moto e batendo nela, acho eu, pelo fato dela ser uma moto esportiva (deduzi pois olhavam e reclamavam de motos esportivas fazerem parte, que as mesmas não deveriam existir), não encontrei o tal “respeito” entre os motociclistas que eles tanto falam. Para não dar problemas e derrubarem minha moto em uma “brincadeira” dessas, retirei a mesma de lá, deixando-as mais afastada deles. Não sei o motivo real do comportamento deles contra mim, se foi por eu ter uma moto esportiva, ou se foi o fato deles estarem já muito alcoolizados, não corto giro ou faço qualquer “Zueira” perto de palco, praça de alimentação, etc, para não atrapalhar aqueles que não gostam, sempre procuro fazer isso em áreas mais afastadas do evento e não exageradamente, respeitando os outros. Minha moto estava desligada, não estava fazendo nada, é um objeto inanimado, se ninguém for lá e fazer a “Zueira” ela ficará parada, eternamente quieta, NÃO É A MOTO E SIM ALGUNS MOTOCICLISTAS.

Depois te assistir os shows, o MotoEL “bateu em retirada”, pegando mais chuva, chegando em casa feliz e realizado de ter prestigiado mais uma vez esse grande encontro de motos que é o Carbomoto. Estamos esperando o 18° Carbomoto ansiosos, como sempre.

Boas estradas e boas rodagens para todos. FUI.


Resumo pontuação

Gostei: Várias opções de lojinhas com artigos motociclísticos, área coberta para shows, área coberta para expositores, área coberta para camping, show de manobras, excelente bandas, bem organizado, guarda volumes até as 3h da manhã, bastante variedades de gastronomia.
Não Gostei: Banheiros químicos, o preço de alguns comerciantes estavam um pouco acima do justo.

Placar: 80/100 (Excelente evento)
Mais detalhes do placar na página 2.